sexta-feira, 5 de abril de 2013

Algumas Patologias do Tecido Conjuntivo


DOENÇAS DO TECIDO CONJUNTIVO


As doenças autoimunes do tecido conjuntivo são um grupo heterogêneo de doenças que se caracterizam por uma estrutura ou função anormal de um ou mais dos elementos do tecido conjuntivo, isto é, colágeno, elastina ou mucopolissacarídeos. Por norma, as doenças seguintes pertencem a este grupo:

LED (Lúpus Eritematoso Disseminado).

Esclerodermia.

Dermatomiosite/Polimiosite.

Síndrome de Sjögren.

Doença mista do tecido conjuntivo.


A detecção de autoanticorpos específicos – os denominados anticorpos antinucleares (ANA) – podem suportar o diagnóstico de doenças autoimunes do tecido conjuntivo e ajudar no diagnóstico diferencial, bem como na determinação de um prognóstico.

Lúpus eritematoso sistêmico

Ocorre com períodos de exacerbação caracterizados por febre, mal-estar, cansaço, artrite, miosite, perda de peso, exantemas cutâneos, anemia, convulsões, psicose, vasculite, miocardite, pneumonite, nefrite, etc.
Não tem cura, o que faz com que o tratamento se destine a controlar a inflamação.

Artrite reumatóide

Caracteriza-se principalmente por sinovite inflamatória persistente que, regra geral, afecta de forma simétrica as articulações periféricas, com deformidades.
O sintoma-chave é a dor nas articulações, com hiperestesia e tumefacção das mesmas.
Pode ser acompanhada por nódulos reumatóides, vasculite, inflamação pleuropulmonar, esclerite, síndrome de Sjögren, osteoporose, etc.
Trata-se de uma doença complexa, extremamente incapacitante e de má evolução.

Esclerodermia

Caracteriza-se por fibrose cutânea, alterações digestivas, renais, fibrose pulmonar, hipertensão, artrite, miosite e insuficiência renal.
Não tem cura, o que leva o tratamento a tentar melhorar a função e os sintomas.


Doença mista do tecido conjuntivo

Ocorre com poliartrite, tumefacção das mãos ou esclerodactilia, miopatia inflamatória, fibrose pulmonar, disfunção esofágica, etc.
Não tem cura e o tratamento destina-se a diminuir a inflamação.
O médico desaconselhará a condução a todos os doentes que tenham uma capacidade limitada ao volante devido à doença.

Síndrome de Sjögren

Manifesta-se por secura na boca e queratoconjuntivite seca. Em 10-15% dos casos, verifica-se uma afetação dos grandes órgãos, como o pulmão e o rim.
Em determinadas ocasiões, ocorre também vasculite, polineuropatia, alterações da condução cardíaca, doença da tiróide, etc.

Vasculite

Inclui uma grande variedade de doenças como vasculite necrosante sistémica, poliartrite nodosa, angeíte e granulomatose alérgica, vasculites por hipersensibilidade a fármacos, infecções, neoplasias, doenças do tecido conjuntivo, Henoch-Schönlein, granulomatose de Wegener, arterite de células gigantes e outras, como a doença de Kawasaki, tromboangeíte obliterante, síndrome de Behcet, síndrome de Cogan, eritema nodoso, etc.
Pode causar afetação multissistémica com cegueira, insuficiência renal, polimialgia, neuropatia, cardiopatia, doença pulmonar e digestiva.

Sarcoidose

Pode afetar o pulmão, os gânglios linfáticos, a pele, o olho com uveíte em 25% dos casos, as vias respiratórias superiores, o sistema nervoso central, os nervos periféricos e cranianos, o coração com alterações da contração e do ritmo, e o sistema músculo-esquelético, entre outros.
As complicações mais importantes são a doença pulmonar e a afetação ocular, incluindo cegueira.
Muitos casos sofrem uma remissão espontânea, o que faz com que seja difícil precisar o tratamento. Quando ocorrer doença ocular, cardíaca ou pulmonar, o tratamento é obrigatório.
Postar um comentário